VELHA JARDINEIRA

Velha jardineira da cidade de Dores do Indaiá, Minas Gerais, Brasil. Nela carregou pessoas, bichos, histórias saudades, lembranças, marcas do passado. A seguir leia o poema Velha jardineira e ouçam a música arrumação na voz de Tadeu Franco…

VELHA JARDINEIRA

Bilhete reservado, com destino

Determinado,

Todos tomam assento…

Para viajar comigo,

Na velha jardineira…

trinta em pé, trinta e seis sentados

Sessenta e seis passageiros,

Rumo ao passado…

Pato cachorro porco galinha, gato.

No bagageiro…

Viagens enfadosas por entres

Serras e ladeiras, que tocam

As cerdas do coração…

Levavam pessoas,

que não mais voltavam,

Levavam perguntas…

Levavam lembranças…

Traziam pessoas que ficavam,

Traziam respostas…

Velha jardineira,

Fotografia na parede, sonhos,

Marcas que não se apagam

Na calçada mãos que acenam

O seu último adeus!

Orlando Nogueira ( O Poeta Carvoeiro)

Betim, 04 de julho de 2020

 

 

 

 

 

12 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s